Aprenda a amar o que você faz

Há uma frase atribuída ao filósofo Confúcio que é a seguinte: “Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida.” Gosto muito dessa frase, mas faço duas adaptações nela, não por acreditar que o filósofo está errado, mas para poder encaixá-la na minha realidade e na de muitas pessoas de modo não a terem como algo impossível.

A primeira coisa é que gosto de deixar o trabalho como trabalho, acredito que nosso estilo de vida e grande parte de nossas profissões atuais são restritas aos seus ambientes, e sabemos muito bem que trazer trabalho para casa muitas vezes é nocivo para as relações familiares e especialmente para a nossa saúde por conta da ansiedade e do estresse que podem causar. Então que o trabalho fique no lugar dele, porém isso não nos impede de amar e nos dedicar ao que fazemos, inclusive de criar um tempo em nossa rotina fora das nossas atividades laborativas, para estudar e nos aprofundar em assuntos profissionais para que possamos crescer cada vez mais, por exemplo, não vejo problema de esporadicamente, alguém levar um problema do trabalho para casa para tentar encontrar a solução, fazer esse tipo de coisa se torna perigoso quando vira hábito.

A segunda coisa é que muitas vezes a profissão que temos não é nossa primeira escolha, por circunstâncias da vida vamos parar em algumas áreas do mercado de trabalho, que são diferentes das nossas áreas de formação, áreas de conhecimento que não tem haver com as carreiras que um dia almejamos. Há uma pesquisa de 2006 do IBGE¹ que aponta que aproximadamente de 53% dos formandos de universidades naquele ano não atuaram nas áreas que se formaram, percentual esse que chegava a 99% para os formandos em Geografia. Sim sei que a pesquisa tem 14 anos, mas foi a mais atual que encontrei e é só para dar uma ideia de que mesmo sendo formados em uma área muitas vezes trabalhamos em outras, o que não nos impede de gostar do que fazemos. É o meu caso, sou formado em Fisioterapia, Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior (tinha planos de fazer um mestrado e me tornar professor universitário e queria ter uma formação didática), mas acabei no ramo financeiro, confesso que apesar de bem diferente gosto muito do que faço, procuro sempre aprender algo novo, como qualquer pessoa existem assuntos que domino e outros que não tenho o menor conhecimento, os que domino sempre que possível compartilho o conhecimento e os que não sei procuro saber, peço ajuda a colegas, leio normas, abro “chamados” enfim busco uma solução. E não é só isso atualmente vivo uma realidade pessoal que não me permite buscar crescer na carreira por um tempo, precisei aceitar e me contentar, mas nem por isso tenho que me contentar em ser um profissional que só faz o que é inerente a função que estou se posso contribuir mais.

Isso pode ser com qualquer um, se você como eu caiu de paraquedas em uma área diferente da que escolheu, mas se decidiu continuar nela entenda que é necessário aprender não apenas a gostar do que está fazendo, mas realmente amar. Busque uma formação na área para poder ter sua ascensão profissional, aprenda sobre o que você faz, sabe os assuntos que as pessoas não gostam porque são difíceis, se interesse por eles, na maioria das vezes eles são só trabalhosos, mas não tão difíceis e o que existe é preguiça para resolvê-los. Aprender a amar o que se faz é possível sim, especialmente quando a gente descobre utilidade no que fazemos. Seu trabalho ajuda pessoas na área social, ou realiza sonhos como o primeiro carro, casa ou moto, alivia angústias como tratar doenças, embeleza as pessoas melhorando nelas a autoestima como um salão de beleza ou loja de roupas, fora outros exemplos que poderiam ser dados aqui, mas muitas vezes não gostamos do que fazemos, porque enxergamos apenas os pontos negativos, mas na verdade não é a postura que devemos ter para nada na vida, devemos é ter o pé no chão e ser otimistas, aprender com o que podemos contribuir com nossos trabalhos. Perdão meu leitor, mas se você não consegue ver nada de bom no seu emprego ou é porque ele é muito ruim ou porque você está pobre de espírito precisando rever seus valores. Se seu emprego é ruim ao ponto de não conseguir permanecer nele, como já manifestei em outros textos, minha opinião é simples, troque de emprego, se prepare para isso. Agora se a mudança precisa acontecer em você, não perca tempo, sua má postura com certeza deve prejudicar seus colegas, clientes, familiares e especialmente tem prejudicado você mesmo.

Amar o que fazemos não nos livra dos desafios, mas quer dizer que apesar deles vale a pena seguir em frente fazendo o que acreditamos ser o bem que alcança as pessoas através de nossas atividades, sejam elas simples ou não.

Referência Bibliográfica:

  1. GOIS, Antonio. 53% dos formados no país trabalham em outras áreas. Folha de São Paulo, São Paulo, 11, de setembro de 2006. Cotidiano. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1109200601.htm?aff_source=56d95533a8284936a374e3a6da3d7996>. Acesso em: 01, de agosto de 2020.

Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error

Gostou do nosso blog? Compartilhe com seus amigos! :D